Aprender Junto é o Melhor da EAD

Aprender Junto é o Melhor da EAD

Pessoas que são mais imagéticas aprendem melhor quando utilizam ferramentas visuais (vídeos), enquanto outras já preferem textos para ler, e outras ainda aprendem com maior facilidade quando ouvem as explicações (podcasts, video-aulas). Cada aprendiz tem maior ou menor adaptabilidade às diferentes linguagens expressivas nas quais pode aprender. Por isto a importância do designer educacional na construção de cursos em EAD, pois com a sua sapiência e conhecedor do público-alvo poderá elaborar um “menu” de ferramentas que atendam todos os estilos de aprendizagem e com as mais diferentes ferramentas tecnológicas.

 

Independente de como cada aluno tenha maior atração por determinada ferramenta que o leve a uma aprendizagem mais facilitadora,  os educadores da área da EAD têm que ter em mente que os  estudantes virtuais apoiados pelas avançadas tecnologias educacionais, necessitam por demais trabalhar com uma significativa carga horária online em “grupo”, “entre pares”,  para justamente “aprender” de  “maneira colaborativa e dinâmica”. Esta sem dúvida alguma é uma das grandes  propostas e vantagens metodológicas  da Educação a Distância do século 21.

 

Uma das habilidades mais importantes do século 21,  para se ter sucesso na vida acadêmica ou no local de trabalho,  é saber gerar idéias novas e criativas que sejam construídas em “equipe” e que levem à resolução de problemas. E quando refletimos essencialmente sobre o grupo que  objetiva a aprendizagem como nos ambientes de aprendizagem online, verificamos que esta composição já é também  uma prática recorrente no mundo contemporâneo da educação corporativa e não somente na educação formal das escolas. Aprender colaborativamente  possibilita a aquisição de novas habilidades que acelera a transformação de todos em cidadãos globais e digitais.

 

As empresas do mundo todo  exigem a cada dia mais e mais que os seus colaboradores  atuem em equipe, e que assim progridam em suas habilidades comunicacionais;  como tenham também o domínio e a proficiência do uso das mais diferentes plataformas digitais. Recentemente o Wall Street Journal publicou um excelente artigo sobre empresas que buscam funcionários que sejam capazes de colaborar com os seus colegas em qualquer lugar do mundo,  sem ao menos nunca na vida se encontrarem pessoalmente.

 

Quando voltamos a nossa atenção para a aprendizagem colaborativa em educação a distância e consequentemente para a aprendizagem conjunta, entendemos que atuar  como “facilitador” do trabalho em grupo em um curso na modalidade EAD,  é o aspecto mais desafiante para o tutor em sala de aula virtual. Pontuo isto pois já atuei como tutora orquestrando inúmeros grupos em minhas salas virtuais,  e tudo o que relatarei neste post foi experienciado em minha docência online.

 

Desenvolver a aprendizagem colaborativa em um ambiente virtual de aprendizagem é  um processo que solicita dos aprendizes e tutores bastante investimento de tempo, de  interesse entre as partes e pelo conteúdo e de muita dedicação especialmente por parte do tutor. O  investimento pessoal do aluno online  na sua aprendizagem em grupo e colaborativa,  voltada à construção do conhecimento e  de maneira integrada,  é  a melhor aquisição discente que se pode obter em um curso à distância e a melhor experiência docente por parte do tutor. Pode acreditar!

 

É bastante comum que aquele estudante  que participa de cursos 100% online,   possua  múltiplas responsabilidades na vida pessoal;   como trabalho, escola e / ou família. Seu tempo e seu interesse em “aprender” são valiosos para ele e por isso é fundamental  este aluno perceber que a possibilidade de  construir conhecimento em grupo é  um  “valor”  inestimável  , pois desta maneira ele pode  adquirir uma aprendizagem mais significativa e que gera  ganhos relevantes  em seu  investimento pessoal/profissional. Além de “aprender”, este aluno leva para o mercado de trabalho a sua expertise em saber trabalhar em grupo através da virtualidade.

 

As situações de aprendizagem colaborativa que certamente só podem ocorrer em grupo, nas quais os alunos  trabalham em dois ou mais,  provocam neles a busca da compreensão de significados, a geração de  soluções, ou até a criação de um novo produto, uma nova ideia, um novo contexto.  Existe uma grande variedade  de atividades que podem ser propostas para que ocorra a  aprendizagem colaborativa onde são sanadas as dúvidas, os problemas  ou os desafios de se criar algo inovador. Tudo deve ser  conduzido, explanado  e problematizado através do tutor do curso que mediatiza todos os grupos existentes em uma sala de aula virtual.

 

A ideia de que os alunos precisam trabalhar juntos para aprender, provêm de vários teóricos da aprendizagem, incluindo Piaget, Dewey e Bruner. As premissas de suas teorias são de que a aprendizagem deve ser  ativa e o conhecimento é construído através da interação com o meio ambiente.  É fundamental que haja no curso de educação a distância uma proposta clara com os objetivos de aprendizagem entre pares  e que seja relevante a cada aluno no sentido que o remeta  para cenários do mundo real, para a sua própria experiência pessoal.

 

Desta maneira deve haver o incentivo permanente aos alunos de se  trabalhar  em conjunto para poder experienciar,   e assim  adquirir  uma percepção clara  que não se  ganharia tanto ao se  “trabalhar sozinho”.  Este tipo de percepção é oriunda apenas da experiência pessoal. A qualidade na interação investida pelos alunos e pelo tutor no processo de construção de conhecimento através da configuração de grupos de trabalho,  é muito  relevante em todos os sentidos que compõem as relações, a aprendizagem, o sentimento de participação e de colaboração.

 

Infelizmente muitas vezes a aprendizagem colaborativa  pode ser  mal interpretada. Importante ressaltar que é  uma aprendizagem que  não obriga  os alunos a simplesmente  conversarem entre si  em uma conferência pelo computador enquanto eles fazem os seus trabalhos individuais. Também  não é propor que se  faça a atividade individualmente e depois aqueles que terminaram  em primeiro lugar ajudam  os que ainda não terminaram. E certamente não é ter um ou alguns alunos que façam  todo o trabalho enquanto os outros acrescentam seus nomes. Certo?

 

Todo o desenho  educacional  de um curso à distância quando elaborado com o objetivo de ser eficaz no contexto do desenvolvimento da aprendizagem colaborativa entre pares,  apresenta aos aprendizes  a  descrição e todas as  instruções necessárias para que  o projeto de trabalho  seja  validado pelos  grupos  de alunos virtuais. Este é um  fator determinante na quantidade, qualidade e tipo de interatividade que ocorrerá ali.

 

A questão que se relaciona ao tempo de dedicação de cada aluno em uma atividade grupal é relevante assim como o cumprimento da data de vencimento da agenda da atividade em relação à qualidade da entrega. Deve ser proposto a cada aluno virtual e portanto a todos os grupos de trabalho,  um tempo suficiente para que os aprendizes   primeiramente construam o “relacionamento entre si” e assim estabeleçam a “presença” na sala de aula virtual. A construção da relação interpessoal é fundamental pois é assim que se constroem os laços de confiança que são essenciais para o desenvolvimento de cada grupo.

 

O “tempo”  também é necessário para se trabalhar em conjunto na construção do conhecimento. O trabalho síncrono em grupo  é altamente  desafiador devido aos horários diferentes de cada  aluno. É pertinente que cada trabalho em grupo, ou seja, cada projeto a ser desenvolvido possa ser dividido em fases ao longo das semanas. Um bom  exemplo é  na primeira semana cada grupo poder  realizar a escolha do tema apresentando assim  a descrição do projeto. Já na segunda semana realizar a entrega de  um mini-projeto e assim sucessivamente até a apresentação final.

 

Esta maneira multipartida de se construir um trabalho grupal  fornece inúmeras referências e possibilita que o tutor vá fornecendo feedbacks  a cada grupo à partir dos fóruns de discussão,  para assim também identificar o envolvimento de cada aluno do início  ao longo do trabalho, até a finalização dada pelo grupo.

 

Caso  o tutor perceba qualquer  grau de relutância em algum aluno em relação a  proposta de aprendizagem grupal/colaborativa,   deverá imediatamente estimular a participação utilizando as ferramentas de comunicação como  o  e-mail e assim dialogar de maneira individualizada;  ou dependendo da plataforma poderá fazê-lo até por mensagem gravada. O tutor deverá enfatizar a este aluno que está distanciado da proposta, todos  os benefícios de se estar em “grupo” construindo o conhecimento.

 

A  função do tutor  dentre tantos aspectos nesta hora  é essencial. É bastante comum  até em salas presenciais, aparecerem alunos que “gostam” ou “preferem” trabalhar sozinhos. No século 21 é absolutamente necessário que professores e tutores dialoguem com estes alunos e mostrem a eles que no mundo contemporâneo a existência de tanta individualidade destinada à construção do conhecimento inexiste.

 

Outra estratégia bastante positiva  é dar liberdade para que os alunos  escolham o tema a ser explorado, ou a opção de se realizar um estudo de caso ou o desenvolvimento do trabalho dentro de um  cenário de problematização a ser solucionada  diante dos conceitos que deverão ser aplicados. Sim, estou falando de aprendizagem baseada na “resolução de problemas”  e em “estudo de caso”! Um curso bem projetado fornece parâmetros para a realização deste tipo de aprendizagem estratégica e assim valoriza o propósito de uma aprendizagem colaborativa e consequentemente em  grupo.

 

A aprendizagem e o  desenvolvimento do pensamento crítico é menos provável de ocorrer quando a própria  tecnologia é  uma barreira para a comunicação. É absolutamente necessário que tutores trabalhem com os seus alunos virtuais em plataformas que ofereçam  inúmeras ferramentas de comunicação tanto síncronas como  assíncronas.

 

Poder realizar com os aprendizes virtuais  um brainstorming (tempestade de ideias)  antes do início de cada projeto/trabalho  é muito eficaz,   pois além de quebrar o gelo entre eles colabora no sentido de trazer à tona ideias originais e criativas. Os próprios alunos virtuais  poderão através do Google Hangouts, Skype ou o Facetime fazerem as suas reuniões grupais. Existem plataformas gratuitas muito interessantes que também  poderão ser utilizadas como o Google Docs.

 

Saiba +

Esse item foi postado em Geral. Coloque o permalink nos seus favoritos.

Comentário em “Aprender Junto é o Melhor da EAD

  1. Infelizmente em nosso pais a educação fica em segundo ou terceiro plano, por isso as iniciativas especificas e ensino, como o ensino a distancia vem facilitar e motivar uma capacitação continuada, buscando novas metodologias de ensino, proporcionando novas oportunidades para nossos alunos.

Comentários estão bloqueados.