Startups de Educação a Distância

Startups de Educação a Distância

Hoje já sabemos que o Brasil está se tornando referencial de um novo mundo de negócios, pautado pelas startups fundadas e administradas em sua maioria por jovens talentosos e empreendedores. Estes mesmos jovens também conhecidos como “nativos digitais”, quando fundam as suas empresas e fazem a gestão de seus negócios , são agentes transformadores de inúmeros setores que há muito já estavam consolidados e assim reciclam toda uma realidade no mundo do business.  As startups de educação a distância  já são uma realidade e estão transformando a EAD. São elas que despertam em seus clientes o desejo inadiável de pagar pelo seus produtos criativos e inovadores.

 Segundo Gustavo Caetano, CEO da SambaTech e presidente da Abstartups, dos 2.800 associados da Abstartups, apenas 2% se dedicam à educação on-line “É um número pequeno ainda, mas acredito que a partir de 2014 haverá uma mudança”, diz ele. “As próximas ondas no ambiente de startups serão educação e saúde.” Geralmente as startups que mais se sobressaem no mercado são aquelas que reinventam um modelo tradicional de negócios e atualizam para um outro universo ainda inexistente, ou no mínimo criam um modelo jamais visto, ou seja, totalmente novo.

Startups são especialistas em trabalhar com problemas desconhecidos ou até mesmo inexistentes, gerando soluções também desconhecidas e altamente eficazes. Uma coisa é fato, uma startup inovadora jamais se auto denomina como tal, pois ela apenas apresenta seus diferenciais e suas características e permite que você ou qualquer outra pessoa decida sobre a sua competência em inovação..

Startups de educação a distância de sucesso ou a caminho do sucesso, são aquelas que geram impactos aos alunos virtuais, às instituições de ensino e as corporações que fazem uso de EAD em seus treinamentos; justamente por promoverem e oferecerem ao aprendiz uma maneira totalmente inovadora e lúdica de aprendizagem. Essas empresas normalmente de base tecnológica, possuem espírito essencialmente empreendedor e uma constante busca por um modelo de negócio inovador.

Startups de educação a distância constroem aulas por meio de livros digitais interativos incluindo animações, por plataformas que auxiliem os professores/tutores na avaliação formativa do aluno, pelo uso interativo/colaborativo do smartphone no acesso às aulas e atividades distintas, pelo acesso às plataformas cada vez mais integrativas e envolventes que sempre convidam o aluno virtual à aprendizagem de maneira absolutamente inovadora e bem distante da tradicional.

Uma startup de EAD privilegia uma interface clara e de design intuitivo, assim como o próprio uso dos mais diferentes jogos educacionais que desenvolvam a aprendizagem de maneira atraente e sempre mais estimulante e até mesmo divertida. Programas que mostram as dificuldades dos alunos ou gaps de aprendizagem que ocorrem ao longo dos estudos também são ferramentas criadas pelas startups de educação a distância, ou seja, são criados programas que  indicam ao usuário todos os recursos existentes para que ele preencha os seus déficits de aprendizagem e possa assim avançar nos estudos de maneira eficaz.

Uma startup, qualquer startup, sempre necessita de investidores que  busquem por elas para investirem grande capital;  e é justamente por isso que o empreendimento que desenvolve uma ideia criativa desde o início e com uma proposta realizadora inovadora;  possuiu grande chance de sucesso aliada à retroalimentação de recursos fornecidos pelos investidores.

O fundador da Anjos do Brasil e especialista em startups, Cassio Spina, percebe que no Brasil há uma grande oportunidade de investimento no setor da educação a distância e uma possibilidade de sucesso aos empreendedores que investirão seu potencial criativo na área. A startup INBEP, especialista em EAD é direcionada às corporações;  tem Cássio como investidor e mentor.

Tudo isto que descrevo já é uma realidade em nosso país e sem volta! Tanto é que o próprio Google em 2015 irá inaugurar o Campus Google em São Paulo, ou seja, um escritório colaborativo de apoio às startups brasileiras. Neste espaço será oportunizada a construção de laços, rede de contatos, networking e principalmente a possibilidade  do surgimento de ideias criativas que emerja  startups inovadoras e de altíssimo impacto social.

As  startups brasileiras especializadas em EAD e que já estão no mercado educacional, estão desenvolvendo com muita habilidade e cada vez mais produtos destinados à  aulas e programas de educação a  distância. Tudo acontece  através de inúmeras ferramentas tecnológicas, como mobiles [m-learning] no qual aplica-se vários conceitos e metodologias como o rapid-learning, que viabiliza uma maneira objetiva de se aprender , assim como o uso do Big Data para a personalização do ensino; analisando e extraindo inteligência de uma grande massa de dados, permitindo assim que tutores/professores saibam muito mais sobre os seus alunos.

Um exemplo interessante a notar e que estimula o aprendizado envolvente por meio de um jogo no formato quiz , é a social game  Qranio, que foi desenvolvida para gerar de maneira lúdica a aquisição de conhecimento sobre novos assuntos.  São feitas perguntas que variam sobre diferentes temas, como por exemplo, história, ciências, língua portuguesa, literatura, matemática, geografia entre muitos outros, e com isto o usuário responde ao quiz que lhe é apresentado. Quanto mais perguntas se acertar, mais pontos se acumula. O que se acumula se chama Qi$, que na verdade é a moeda virtual do jogo e que pode ser trocada por vários prêmios no site oficial do Qranio. Sucesso total!

A startup  Qranio foi selecionada pela Microsoft como uma das mais inovadoras da América Latina e já soma mais de 1,050 milhão de usuários. Conta hoje com investidores de peso, como  possui profissionais trabalhando em países asiáticos e europeus. É interessante o depoimento do CEO e fundador da Qranio, Samir Lásbeck, que alega que na infância não gostava de estudar pois achava pura perda de tempo ir à escola, mas afirma também que sempre gostou muito de aprender, principalmente o que lhe era útil e importante.

Quando falamos em startups em EAD pelo mundo afora, lembramos da  2tor, que traz no nome uma brincadeira que funciona tanto em inglês quanto em português com a palavra “tutor” e que foi fundada em 2008. É uma startup que faz parcerias muito interessantes com universidades renomadas, como com a  Georgetown e a Washington University, e as ajuda a construir seus cursos on-line. A 2tor também é uma das startups mais bem financiadas na área.

Uma outra startup em educação a distância que brilha pelo mundo,  é o Noodle que oferece um serviço customizado de curadoria de informações e que objetiva ajudar estudantes e seus familiares a encontrarem opções que atendam as suas necessidades ao que tange escolas e cursos, desde a educação infantil à pós-graduação. Na verdade o Noodle foi pioneiro ao propor uma ferramenta de busca especializada para a navegação em sites de educação.

Desta maneira a expansão das startups no Brasil e no mundo, está cada vez mais impactando o mercado de negócios, o mercado educacional, pois muitos talentos que possuem projeto de vida pessoal e profissional distante do paradigma tradicional das empresas clássicas, buscam agora a liberdade de voo criativo através da autonomia, do desenvolvimento de potenciais humanos que os levem a criação de novos produtos e de novos negócios. Vale lembrar que quando se torna escalável, a startup deixa de existir e dá lugar a uma empresa forte e altamente lucrativa. Muitos destes jovens engajados neste novo modelo de business ganham o seu primeiro milhão em pouco tempo. Eles merecem, não?

                       E você?  Conhece alguma startup de educação a distância?

                         Alguém aqui duvida que os nativos digitais são os agentes de transformação da educação a distância?

2 comentários em “Startups de Educação a Distância

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website