Tecnologias Móveis Mudam a Educação Tradicional

Tecnologias Móveis Mudam a Educação Tradicional

Existe previsão que até 2017 o mundo terá  2,4 bilhões de usuários de smartphones, sendo que nos dias de hoje 33% dos vídeos assistidos pelo Youtube  são acessados por esta mesma tecnologia móvel.  As empresas estarão produzindo mais tablets para serem comercializados, muito mais do que computadores. E o que isto significa para a Educação? Muita coisa, principalmente porque as tecnologias móveis mudam a cada dia a educação tradicional.

 

Segundo dados da ONU, hoje a população mundial já ultrapassou a marca dos sete bilhões, dos quais seis bilhões têm acesso a telefones celulares, o que comprova que o alcance à tecnologia móvel é maior do que condições básicas de saneamento. No mundo, só  4,5 bilhões de pessoas têm acesso à  banheiros. Essa disseminação das tecnologias móveis alinhadas ao crescimento das conexões por banda larga principalmente  em países em desenvolvimento,  está estimulando e implantando o ato da leitura em áreas onde o acesso aos livros é mais restrito.

 

Governos de todo o mundo estão cada vez mais atentos sobre a necessidade de se colocar as tecnologias móveis, como celulares e tablets, à serviço da Educação. A Unesco por exemplo,  publicou um guia com 10 recomendações políticas em que tenta ajudar governos a implantarem esses recursos tecnológicos móveis nas salas de aula.  O  guia apresentado em Paris durante a Mobile Learning Week,  é um guia pedagógico que apresenta  13 bons motivos para se ter mobiles aliados à Educação. Um fato é inquestionável, no combate ao analfabetismo do mundo todo uma nova ferramenta está se mostrando bastante poderosa, acessível e eficaz: o celular.

 

Projeções sugerem que 263 milhões de estudantes no mundo todo, estarão no Ensino Superior em 2025 por obra da educação a distância!!!! Este dado é muito importante pois não só teremos mais pessoas formadas, mas teremos a total disseminação das tecnologias educacionais. A escola atual já é uma nativa digital, pois os seus alunos são nativos digitais, e a própria sociedade onde vivemos também não é mais analógica como antigamente. Desta forma, espaço e tempo de aprendizagem mudaram,  pois o conhecimento não cabe mais naquele ortodoxo e tradicional quadrado chamado sala de aula, e nem ocorre mais naquele dado contexto temporal.  O tempo disponibilizado de cada um frente ao aprendido através das Tecnologias da Informação e Comunicação –  TICs   se transforma por completo!!

 

Educadores contemporâneos que já compreenderam esta realidade  e se apropriaram das TICs à favor de um novo paradigma na educação,  já conseguem também estabelecer relações interpessoais educacionais com seus alunos,  não mais autoritárias ou centralizadoras e sim horizontalizadas onde todos de maneira colaborativa constroem o conhecimento, constroem sólidos laços de parceria e de interação. Estou me referindo tanto à sala de aula presencial quanto aos ambientes virtuais de aprendizagem – AVAs.

 

Hoje já ocorre de maneira muito natural o fato de alunos e professores se apropriarem das  tecnologias móveis como tablets para ocupar o lugar tradicional do caderno e caneta. Por outro lado acontece ainda o desgaste de muitos professores em suas salas de aula,  onde a presença maciça da tecnologia móvel trazida pelo próprio aluno de escolas públicas ou privadas, que estão nos grandes centros ou nas distantes periferias, gera em muitos deles a sensação que os dispositivos são invasores e fortes concorrentes de suas atuações docentes. Ainda não compreenderam que as tecnologias móveis podem e devem ser suas aliadas no processo do desenvolvimento de seus aprendizes.

 

Tecnologias móveis ainda são percebidas por muitos professores como “novos problemas” e não como “novos desafios e soluções” em relação ao processo de aprendizagem. Por quê acontece isto em pleno século 21?  Grande parte do professorado ainda não sabe ao certo o que fazer com elas e por não saber o que fazer,  interpretam erroneamente que as mesmas são “penetras” e “invasoras” de um local físico que tradicionalmente é dominado somente pela sua autoridade intelectual. E assim  muitos deles  acabam instituindo a  proibição do uso durante as aulas.

 

Alunos de maneira espontânea já utilizam em qualquer lugar e hora os seus smartphones para tudo, inclusive para aprender alguma língua ou qualquer tema por meio de jogos,  como também agendar alguma atividade relacionada à escola, entregar trabalhos, visitar museus, tirar dúvidas, assistir vídeos, trocar mensagens, estudar em grupos, fazer atividades conectados pela tecnologia móvel. Fazem isto sem nenhum professor necessariamente “mandar” ou melhor dizendo “orientar”

 

O que acontece na verdade é que o  mundo está se tornando móvel e os alunos mais do que ninguém já sabem disto e aproveitam muito esta realidade. Muitos aplicativos já estão sendo desenvolvidos especificamente para a aprendizagem móvel, e muitas vezes são  mais funcionais do que plataformas destinadas ao e-learning.

 

Tecnologias móveis na educação podem proporcionar benefícios tanto aos alunos quanto aos professores, principalmente quando trabalha-se com a abordagem híbrida que proporciona ao aprendiz a “aventura” intelectual da pesquisa, do acesso via internet aos vídeos,  das videoaulas, dos games educativos, e a eles garantem uma maior flexibilidade no processo lúdico de aprendizagem, pois todo este material está acessível através de seus próprios dispositivos móveis, permitindo que aprendam em movimento. Aos educadores é fornecida a oportunidade de contar com um eficaz meio de disponibilização de material pedagógico que também poderá ser explorado em sala de aula presencial, e com isto quebrar o paradigma crônico que sustenta que as  tecnologias em classe prejudicam o aprendizado!!!

 

As tecnologias móveis, como celulares e tablets, podem e devem ser usados em benefício da educação. 😆

E você professor?

Quer nos contar alguma experiência eficaz com tecnologias móveis em sua sala de aula?  😆

 

2 comentários em “Tecnologias Móveis Mudam a Educação Tradicional

  1. Uma forma que encontrei de proporcionar a interação dos celulares nas minhas aulas foi permitir a consulta da calculadora nas aulas de Matemática e como dicionário nas aulas de Português. Como é uma turma de 3º ano do 2º ciclo do Ensino Fundamental, está dando muito certo as regras construídas coletivamente.

    • Maravilhosa experiência, Valéria!

      Abraços,

      Liliam Silva
      Blog educação-a-distância.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*
*
Website